Retinose Pigmentar está relacionada à um grupo de doenças hereditárias que causam degeneração na retina. As pessoas portadoras apresentam uma perda gradual da visão, por diminuição da função das células fotorreceptoras da retina, aquelas responsáveis por receber a luz.

 

A Retinose Pigmentar pode aparecer isolada ou associada à outros problemas. Na Síndrome de Usher, por exemplo, a Retinose Pigmentar está associada à surdez neurossensorial congênita parcial ou profunda.

 

Geralmente, as primeiras células afetadas são os bastonetes, células especializadas em baixa intensidade de luz e sensíveis à movimentos. A maioria dos bastonetes localizam-se na região periférica da retina.

 

Queixas comuns dos pacientes são relacionadas à dificuldade de enxergar à noite, sair de um local claro e entrar em um ambiente escuro (como a estação do metrô) e perceber o movimento rápido das pessoas quando atravessam à sua frente, por exemplo, quando estão andando na rua.

 

Na Terapia Visual para Retinose Pigmentar e outras degenerações semelhantes na retina, Monique Intrator vai melhorar a circulação e diminuir o esforço visual. Vai estimular, com exercícios específicos, áreas da retina onde há maior dificuldade de resposta visual para, em seguida, integrá-las ao sistema visual. Irá colocar ênfase nos exercícios específicos para a melhora da visão espacial e, sempre que possível, vai estimular a binocularidade, o uso dos dois olhos ao mesmo tempo.

 

Para Monique Intrator, promover a adaptação à diferentes intensidades de luz, percorrendo ambientes claros e escuros enquanto são realizados exercícios específicos, é muito importante no processo da Terapia Visual para Retinose Pigmentar.

 

Melhorar o equilíbrio e a segurança do paciente é fundamental para Monique Intrator, já que os pacientes são surpreendidos constantemente por estímulos repentinos. Isso é trabalhado nas sessões através de exercícios visuais específicos associados à desafios motores e de equilíbrio.