O estrabismo ocorre quando os dois olhos não sabem funcionar juntos e procuram descobrir uma forma de lidar com o desconforto. Se os dois olhos não conseguem se organizar para focar o objeto ao mesmo tempo, entram em uma disputa. O cérebro, procurando  evitar a qualquer custo uma visão dupla, experimenta algum tipo de adaptação: um olho é deixado de lado enquanto o outro se prontifica a fazer tudo sozinho ou os olhos ficam alternando entre si.

 

O desvio pode ser constante ou não (intermitente) e pode ser uma Esoforia (desvio para dentro) ou Exoforia (desvio para fora).

 

Além da estética, quando os dois olhos conseguem desenvolver a função de ver juntos, somando entre si, acontece a binocularidade e células específicas na região do cérebro são ativadas. Com a binocularidade passa a ser possível desenvolver a noção de profundidade e a visão em 3D, que é fundamental para calcular a distância entre os degraus de uma escada, por exemplo.

 

Na Terapia Visual para estrabismo, Monique Intrator vai trabalhar para estimular os olhos e, consequentemente as áreas no cérebro correspondentes ao sistema visual, vai ensiná-los a organizarem-se melhor no espaço para localizar cada objeto. Vai melhorar a mobilidade e a percepção da posição dos olhos. Exercícios de binocularidade fazem parte dos desafios propostos sempre que possível.

 

Importante ressaltar que boa fusão e boa estereopsia, que são graus diferentes de binocularidade, são importantes para qualquer pessoa, com ou sem estrabismo.